quem somos
O Mundo segundo a palavra escrita voltar para notícias
O Mundo segundo a palavra escrita

Se você possui uma TV com recursos mínimos deve ter se deparado com aqueles textos que reproduzem na tela o que os apresentadores dos programas estão falando. Trata-se do Closed Caption, ferramenta que até 2017 será obrigatória nos canais de televisão do Brasil, em toda a programação. Apesar da demanda que se estabelecerá a partir desta lei, o mercado sofre com a dificuldade em conseguir mão de obra especializada. No país, poucas empresas realizam o serviço. No ABC a STN Caption, com sede em Santo André, ocupa a vice-liderança do segmento, com faturamento anual na casa dos R$ 3,7 milhões.

"O mercado de Closed Caption está em plena ascensão, contudo, está deficitário", explica a diretora da STN Caption, Maria Teresa Bucci. Segundo ela, "no Brasil, só existem duas empresas de estenotipia aptas a fazer o Closed Caption".

O dicionário Houaiss define estenotipia como uma "técnica de escrita que utiliza caracteres abreviados especiais, permitindo que se escrevam palavras com a mesma velocidade com que são pronunciadas".

 

Legenda é lei


A obrigatoriedade do sistema de legenda oculta ocorre desde 2008 e, por lei, cada emissora emissora deve utilizar o Closed Caption em no mínimo 8 horas diárias de programação. "Em abril, o horário será estendido para 16 horas por dia", antecipa Maria Teresa.

A tecnologia, em princípio, é uma maneira de pessoas que não podem ouvir o áudio de um filme ou programa de TV conseguir entender o que se passa. Efeitos sonoros também são traduzidos em texto. Ou seja, o Closed Caption é importante na inclusão de deficientes auditivos, uma vez que até mesmo em teatros o sistema vem sendo utilizado. "Um sonho pessoal é conseguir trazer este modelo para o ABC", afirma Maria Teresa, explicando que existem dois tipos de legendas para eventos ao vivo. A mais moderna utiliza de telas similares às dos tablets, nas quais as legendas são transmitidas. Outro modelo reproduz a legenda acima do palco. Em ambos os casos, o trabalho é realizado em tempo real.

 

Dificuldades do mercado


De acordo com Maria Teresa, um dos maiores problemas do mercado refere-se a falta de mão de obra especializada. "Nossa empresa realiza anualmente capacitação de funcionários. O treinamento vai desde o curso inicial de estenotipia, até cursos de português, e capacitação em Closed Caption. Para exercer a função, o profissional precisa possuir velocidade superior a 180 palavras por minuto, e isso não é fácil", comenta.

No campo do Closed Caption, uma máquina com 22 teclas similar as que vocês já deve ter visto em filmes passados em tribunais, nas mãos do responsável por anotar os depoimentos (taquígrafo), transmite esses "caracteres especiais" para um computador que, por sua vez, converte o emaranhado de códigos em frases em português.

No caso da STN Caption, todo o trabalho é realizado em Santo André e transmitido para o canal contratante do serviço. "O estenotipista assiste o programa pela televisão e digita o que ouve. A legenda é enviada para a emissora, que a transmite simultaneamente ao áudio e ao vídeo", finaliza Maria Teresa, que atualmente coordena cerca de 25 funcionários e atende uma carteira de clientes em que figuram TV Bandeirantes, Rede Vida, TV Tribuna de Santos, Câmaras de Arbitragens de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia, indústrias farmacêuticas, entre outras.

 

Fonte: Revista Dia Melhor - edição 46 - março de 2014

Galeria de imagens
Deixe seu comentário